Diretor Presidente: Maksuês Leite Cuiabá, 23 de abril de 2014   
     
    Página Inicial
    Últimas Notícias
    Política
    Economia
    Polícia
    Cidades
    Esportes
    Cultura
    Variedades
    Nacional
    Internacional
    Registro Geral
    Artigo do Dia
    Enquetes
    Carta do Leitor
    Empresarial
    Presença Confirmada
    Quem Somos
    Fale Conosco
 
Política

PF flagra diálogo sobre pagamento suspeito de precatório de R$ 112 mi no Governo de MT
05/12/2013 - 15h43   

CLÁUDIO MORAES
Da Editoria

Relatório das escutas feitas pela Polícia Federal durante as investigações que culminaram com a "Operação Ararath" em novembro levanta suspeitas gravíssimas sobre o suposto pagamento ilegal de um precatório no valor de R$ 112,6 milhões a empresa Encomind Engenharia, Comércio e Indústria Ltda. O débito foi pago pelo Governo do Estado, durante a gestão do ex-governador e atual senador Blairo Maggi (PR), em 17 pagamentos entre os anos de 2008 e 2010 de acordo com dados do Fiplan (Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças).

Dados revelam que somente de juros pela dívida do Estado, a empresa recebeu o montante de R$ 80 milhões. Os demais valores se referem ao não pagamento de obras executadas na década de 90.

As escutas flagram a advogada da Encomind, Juliana Borges Moura Pereira, dialogando com a mãe, ainda não identificada, sobre a abertura de um procedimento investigatório do Ministério Público Estadual para investigar os pagamentos. Ela conta que um dos ex-sócios da empresa recentemente vendida para a construtora Guaxe, de Tangará da Serra, estaria se negando a assinar uma procuração porque estaria "nervoso" com a abertura de uma investigação pelo Ministério Público Estadual, através do promotor Roberto Aparecido Turim, sobre o pagamento milionário.

"Depois que eu fui ver porque ele está nervoso. Estourou no Ministério Público Estadual. O Roberto Turim mandou eles devolverem aquele dinheiro que Blairo... Pediu informação a secretaria de Fazenda e tudo e pedindo esclarecimento desses repasses", comenta a advogada em diálogo interceptado. Ela ainda cita que o assunto teria sido descoberto após reportagens feitas sobre o assunto pelo site Midianews, através do repórter Rodrigo Vargas.

Mais a frente, Juliana Borges Moura Pereira comenta que um dos ex-sócios da Encomind, Carlos Garcia Bernardes, de 62 anos, poderia ter se suicidado em fevereiro de 2012 numa casa de veraneio no Lago do Manso, em Chapada dos Guimarães, diante do cerco fechado diante das investigações do MPE. "E o Zampieri falou que o senhor Carlos suicidou por causa disto. Desse negócio que tinha saído de cento e tantos milhões", assinalou, ao acrescentar que "eles vão responder por improbidade".

Ao final, a mãe da advogada diz que ele não tem nenhuma ligação no processo de pagamento do precatório milionário. "Não tem nada a ver com você. Pode ficar descansada", afirmou.

Juliana Borges Moura Pereira aparece em dezenas de escutas da Polícia Federal por ser advogada da Encomind e uma das pessoas de confiança do empresário Rodolfo de Campos, ex-sócio da empresa. Ele é suspeito de tráfico de influência, de acordo com a Polícia Federal, por ter obtido uma decisão judicial a Encomind dada pelo juiz federal Julier Sebastião da Silva, também investigado na "Operação Ararath".

A advogada já havia sido flagrada tentando vender em 2012 um dossiê com supostas fraudes em obras da Copa em Mato Grosso. Ela e outros familiares estariam negociando com o senador Pedro Taques (PDT) um dossiê pelo valor R$ 1,5 milhão contra o então secretário extraordinário da Copa, Éder Moraes Dias (PMDB).

ORIGEM DO PRECATÓRIO

O pagamento dos R$ 112,6 milhões do Governo de Mato Grosso a empresa Encomind é cheio de artimanhas jurídicas. O débito surgiu através de uma ação judicial protocolada em 2004 em que a empresa solicitava o recebimento de juros e multas pelo atraso de pagamento de obras realizadas entre 1987 e 1990 para os extintos Cohab (Companhia de Habitação de Mato Grosso), Dermat (Departamento Matogrossense de Estradas e Rodagens) e DVOP (Departamento Viação e Obras Públicas).

Em primeira e segunda instâncias, a Encomind conquistou decisões favoráveis e foi incluída na "fila cronológica", o que poderia fazer com que a empreiteira demorasse décadas para receber o débito. Todavia, o Estado emitiu dois decretos em abril e agosto de 2008 para que a empresa tivesse o direito de receber os valores administrativamente.

Os decretos foram assinados a época pelo então governador Blairo Maggi e os secretário Eumar Novacki (Casa Civil), Éder Moraes (Fazenda) e Vilceu Marchetti (Infraestrutura). Além da Encomind, outras empresas receberam valores milionários atraves do mesmo modelo.

São elas: Andrade Gutierrez (R$ 276 milhões); Encomind (R$ 132 milhões); Conenge Construção Civil (R$ 765.101,22); Engevix Engenharia e Construções (R$ 1.348.962); Cohabita construções Ltda (R$ 11.461.591,76, destinados para pagamento ao credor DM Construtora de Obras Ltda) e Airoldi Construções Ltda (R$ 647.187,61). Através deste modelo, foram pagos cerca de R$ 500 milhões para empresas de grande porte no segmento de construção civil.

Em março de 2012, o MPE abriu uma investigação sobre o caso. Todavia, após um ano e nove meses, não houve uma conclusão sobre os levantamentos para verificar a legalidade dos pagamentos.

VEJA MAIS:
Senador nega ter negociado compra de dossiê contra Éder Moraes
TRF nega habeas corpus a empresário investigado por lavagem de dinheiro
PF flagra 3 oferecendo dossiê com supostas fraudes em obras da Copa para Taques
Senador confirma reunião e garante desconhecer algo que desabone empresário
Gravação da PF revela senador de MT marcando reunião com empreiteiro investigado
Processo é enviado ao STJ e autoridades de Mato Grosso ficam em pânico com operações
Gravações mostram que empresário admite fazer "lobby" durante jantar na casa de Julier
PF faz nova operação e invade casa em condomínio de luxo e escritório em Cuiabá
Taques crê em idoneidade de juiz federal e diz que ação da PF é imparcial
PF apreende R$ 230 mil; prende 1 e acha recibos dos depósitos de factoring em MT
Desembargador do TRF mandou grampear juiz federal de MT há mais de um ano
Julier se diz "surpreso e indignado" por ter nome envolvido em esquema de lavagem de dinheiro
PF invade imóveis e investiga juiz federal de MT por elo com esquema de R$ 500 mi
Prresidente do Detran movimentou dinheiro sem origem e pagou passagens, diz PF
PF analisa ramificações de grupo que lavava dinheiro em outros estados

 

 Enviar por email  Imprimir    Comentar
 


Comentários dos Leitores :: 
Duílio Belém (duiliogomes_belem@uol.com.br) - 05/12/2013 14h03

Se for levar em conta multas, correções monetárias e dívidas, o Estado de MT está falido. Por que as empreiteiras não cumprem contrato, sempre atrasam obras e pedem muitos aditivos. Há pouco tempo, o próprio TCE atestou que os aditivos representavam em torno de 30% das obras. Agora, eu pergunto, quanto foi a inflação anual desses contratos?
Enildes (enildespascoalcorreia@terra.com.br) - 05/12/2013 14h46

Este homem ainda quer voltar a governar o Estado, e o que é pior. O novo pretendente um \"santo de pau oco\" demonstra que a bandalheira vai continuar.
Sardinha (jlov@bol.com) - 05/12/2013 17h03

MP investigue a empresa CAPRIATA q tem contrato com a PREFEITURA DE CUIABÁ tão embolsando o erário em mais de 300 MIL. PROMOTORES FAÇAM ALGUMA COISA.
Antonio Amorim de Oliveira (amaja@terra.com.br) - 05/12/2013 18h11

Analisando friamente, é muito comentário via telefone, fofoca. O certo é que o governo devia e deve muito e faz de conta que paga.Uma hora alguém tem que pagar a conta. Não vejo nada de errado.
Intervenção..já (lindon_johnsonr@hotmail.com) - 05/12/2013 23h36

só tem bandidos engravatados...
Januário PF (jpf@uol.com.br) - 06/12/2013 01h09

Tudo feito na legalidade , amparados por decretos e Leis publicadas e divulgadas , contas aprovadas , acordos judiciais ... Não vejo onde incriminar , parem de firulas e holofotes , essa operação e nula só pelas divulgações daquilo q esta sob sigilo de justiça
 
Últimas Notícias de Política :: 
Política
16h44 : Eduardo Lopes comemora aprovação, pelo Senado, da aposentadoria especial para o pescador
Política
09h28 : Pinheiro junta documentos para provar inocência e diz ser perseguido
Política
09h17 : Toninho não teme ameaça de expulsão do PSD
Política
16h46 : Riva promete dar nomes aos bois, se referindo a tentativa de extorsão ao genro
Política
14h05 : Pressão de vereadores fazem advogados de João Emanuel irem ao TJ
Mais Notícias de Política::
  Publicidade
Microlins
Programa Sávio Pereira
© O Documento - Uma Impressão Digital. 2001 - 2014
É proibida a reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorizaçao por escrito dos responsáveis.
Fone: (65) 3644.4160