Diretor Presidente: Maksuês Leite Cuiabá, 20 de abril de 2014   
     
    Página Inicial
    Últimas Notícias
    Política
    Economia
    Polícia
    Cidades
    Esportes
    Cultura
    Variedades
    Nacional
    Internacional
    Registro Geral
    Artigo do Dia
    Enquetes
    Carta do Leitor
    Empresarial
    Presença Confirmada
    Quem Somos
    Fale Conosco
 
Artigo do Dia

Mundo das etiquetas
23/09/2012
Gabriel Novis Neves
  

O nosso modelo econômico proporciona-nos situações do mais fino humor. O “Deus” do capitalismo é o consumismo desenfreado e o lucro.

É comum pessoas dobrarem o colarinho da camisa que vestem para, só então, emitirem opinião enaltecendo o produto usado, que não passa de um alimento à vaidade.

Se for de grife chique e famosa, e consagrada pelo mercado consumidor, aí então o elogio é farto.

Se o inseguro bisbilhoteiro encontrar o selinho ‘Made in Osmar Cabral’, iremos escutar somente reprovações e silêncio.

É assim que funciona o chamado capitalismo selvagem, onde a beleza é proporcional ao valor do objeto.

O caminho da felicidade, para essas pessoas, é a grife.

No período eleitoral existe um comportamento que merece uma atenção especial dos estudiosos.

Os candidatos a cargos eletivos, na sua maioria, embora capitalistas e representantes do poder econômico, se apresentam como filhos de pais pobres e analfabetos.

Cedo começaram a trabalhar e, com honestidade e sacrifício, construíram o seu patrimônio. Alguns tiveram oportunidade de estudar, e outros não.

Entraram para a vida pública para ajudar ao próximo e, se hoje têm sucesso em seus negócios, devem a sua estrela e competência.

Se alguém duvida da sua evolução econômica vertical, poderá consultar a Receita Federal - aconselham de forma arrogante.

Nunca vi nenhum candidato declarar na televisão que é rico.

Lembrando Joãozinho Trinta, pobre gosta de rico. Quem gosta de pobre é intelectual, minoria entre nós, sem força política para eleger ninguém.

Se um candidato apresentar um programa de governo dizendo que, se eleito, todas as criancinhas nascidas em Cuiabá serão ricas, ele ganhará a eleição no primeiro turno.

Depois de eleito poderá dizer que é rico e nasceu em berço de ouro, ou ficou rico com os excelentes negócios ‘lícitos’ que fez.

O brasileiro se envergonha de dizer que é rico porque esse privilégio hoje está muito ligado às atividades pouco éticas.

Ouço certas pessoas dizerem, com a maior tranquilidade e cara de pau, que construíram a sua fortuna ocupando, por poucos anos, um cargo público.

A parte hilária dessas eleições, fora o engraçadíssimo programa eleitoral, é que o ex-tudo agora se encontra no ostracismo.

Aparece diariamente na mídia batendo escanteio, cabeceando no gol e agarrando a bola indefensável.

É um verdadeiro craque na arte de como ser visto para explicar sobre as suas virtudes pessoais.

Afinal, ele trabalhou dez anos e pode, perfeitamente, fazer o que gosta. Ninguém tem nada a ver com isso – exceção feita àqueles que deixaram o rabo preso no seu portão.

O mundo das etiquetas é fantástico para quem sabe distinguir uma etiqueta de um caráter.

Confesso que sentirei saudades deste período eleitoral, onde os gatos são todos pardos.

Depois é aquela “sem graceira” de abraços e beijinhos intermináveis, mas com etiqueta.

 
 
Mais artigos de Gabriel Novis Neves :: 
Gabriel Novis Neves
31/03/2014 : Doador
Gabriel Novis Neves
27/03/2014 : Autocrítica
Gabriel Novis Neves
26/03/2014 : Culpado
Gabriel Novis Neves
24/03/2014 : Amores
Gabriel Novis Neves
22/03/2014 : Homenagens
Todos os artigos de Gabriel Novis Neves ::
  Publicidade
Microlins
Programa Sávio Pereira
© O Documento - Uma Impressão Digital. 2001 - 2014
É proibida a reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorizaçao por escrito dos responsáveis.
Fone: (65) 3644.4160