Diretor Presidente: Maksuês Leite Cuiabá, 17 de abril de 2014   
     
    Página Inicial
    Últimas Notícias
    Política
    Economia
    Polícia
    Cidades
    Esportes
    Cultura
    Variedades
    Nacional
    Internacional
    Registro Geral
    Artigo do Dia
    Enquetes
    Carta do Leitor
    Empresarial
    Presença Confirmada
    Quem Somos
    Fale Conosco
 
Artigo do Dia

Começou mal
18/07/2012
Gabriel Novis Neves
  

Sou amigo do Mauro Mendes e fui seu eleitor para governador do Estado. Acredito que ele está preparado para administrar Cuiabá - empreitada bastante difícil.

As pesquisas, no momento, lhe dão o 1º lugar e a possibilidade de vencer a eleição no primeiro turno.

Entretanto, Mauro Mendes começou mal o seu trabalho de visitas. Foi muito infeliz na sua declaração à imprensa após uma visita a um hospital privado de Cuiabá, quando se referiu à qualidade dos atendimentos.

Disse ele: “Seguramente, o fator gestão é o grande causador da péssima qualidade dos serviços oferecidos nas instituições. Se melhorarmos muito a gestão, vamos melhorar muito o resultado e a qualidade da saúde em Cuiabá”.

Entenderam? A proposta do candidato é colocar um grande gestor na saúde, como se isso, e somente isso, fosse resolver todos os problemas da nossa combalida saúde pública.

Basta enumerar alguns aspectos para percebermos o caos instalado: salários indignos dos trabalhadores da saúde; número insuficiente desses profissionais para atender, e bem, a demanda de serviços; espaços físicos inadequados, pois os que estão aí, não estão dentro da filosofia da hierarquização do SUS - que começa com a atenção básica nas unidades do Programa Saúde da Família, equipado para terminalidade naquela fase e equipes com perfis técnicos para esse tipo de atendimento.

Continuando, ainda podemos citar: as UPAS (Unidades de Pronto Atendimento e Social) de número insuficiente e, ainda não funcionando. Policlínicas em pontos estratégicos da cidade, que deveriam ser equipadas e funcionando bem para desafogar o Pronto Socorro.

Serviços outros, como Pronto Socorro para os usuários dependentes químicos e moradores de rua, que exige espaço físico e pessoal treinado (existente em Cuiabá, mas que a prefeitura não contrata por falta de recursos), simplesmente não funciona.

Finalmente, o novo hospital a construir, pois temos um que precisa de uma enorme plástica para ser reconhecido como hospital.

Tudo isto não se faz com discursos, e sim, com recursos.

Caro candidato, se o problema fosse gestão, Mato Grosso seria modelo para o mundo.

A Secretaria Estadual de Saúde, em oito anos, contou com a administração de médicos por apenas dez meses. Para se ter uma ideia da situação, o último secretário médico ficou no cargo, contando o dia da posse e os sábados e domingos, somente vinte e três dias.

O resto do governo da gestão foi comandado por um executivo de uma das empresas do agronegócio.

Esse período ficou marcado na história da saúde pública como o que fechou o maior número de hospitais do Estado.

Cuiabá perdeu 1000 leitos hospitalares e muitos serviços de ponta foram fechados no período da ‘boa gestão’.

O município de Cuiabá, nos últimos dez anos, teve mais de dez secretários de saúde. Atualmente é um leigo, amigo do prefeito.

Meu caro candidato, esse discurso de má gestão para os males da saúde pública é velho, repetido e não desperta nenhum sentimento de esperança de melhoria do serviço no eleitor, pelo contrário.

O próprio ex-presidente da República, que um dia afirmou que o SUS estava à beira da perfeição, já reconheceu o seu erro e pediu perdão ao povo brasileiro.

Após alguns meses de tratamento de uma séria doença em hospital privado em São Paulo, na sua primeira entrevista à imprensa disse: “Estou curado porque tive oportunidade de me tratar em um hospital particular. O problema da saúde pública no Brasil é a falta de dinheiro para a saúde”.

Reformule senhor candidato, o seu discurso para tratar dos assuntos para a saúde. Converse com o PR, que fez uma gestão ‘exemplar’ durante oito anos no Estado - e o resultado foi o maior sucateamento dos serviços da saúde nunca visto por estas bandas.

É importante lembrar o quase desaparecimento do Centro de Reabilitação Dom Aquino Correa, que atendia aos pobres.

Ouça a voz da experiência. Procure em São Paulo o doutor Adib Jatene que, por muitos anos, foi gestor do INCOR quando este era o hospital dos presidentes, ministros, senadores, governadores e milionários.

Talvez o renomado médico do coração lhe convença a procurar recursos extras para a saúde. Não repita o fedorento e preguiçoso discurso dos seus antecessores.

 
 
Mais artigos de Gabriel Novis Neves :: 
Gabriel Novis Neves
31/03/2014 : Doador
Gabriel Novis Neves
27/03/2014 : Autocrítica
Gabriel Novis Neves
26/03/2014 : Culpado
Gabriel Novis Neves
24/03/2014 : Amores
Gabriel Novis Neves
22/03/2014 : Homenagens
Todos os artigos de Gabriel Novis Neves ::
  Publicidade
Microlins
Programa Sávio Pereira
© O Documento - Uma Impressão Digital. 2001 - 2014
É proibida a reproduçao total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorizaçao por escrito dos responsáveis.
Fone: (65) 3644.4160